José Antonio Valois, 40 anos, professor com especialização em Administração e Marketing, liderança do Partido Novo em Jacobina, visitou a Redação do Tribuna Regional e concedeu uma breve entrevista sobre a implantação da legenda em Jacobina, que se apresenta como uma nova opção política com vistas a disputar as eleições municipais.

Valois destaca que o objetivo primordial é formar um diretório municipal, para isso precisa obter 150 filiados por determinação do diretório nacional. Pelo fato de o Novo não usar recursos públicos para financiar campanhas políticas, o partido é mantido única e exclusivamente pelos filiados. Então, para que seja reconhecido o diretório, são necessários 150 filiados ativos e contribuintes, informou.

“Jacobina é uma cidade importante da Bahia. É o 24º orçamento do Estado, a 20ª cidade em termos populacionais, evidentemente, que o Novo tem que estar presente aqui. A gente respeita a história e a tradição da cidade, sabe da sua importância como uma cidade polo; não que as outras cidades não sejam importantes, mas, a grandeza de Jacobina pede a nossa presença aqui”, salientou.

O líder municipal do Novo aponta que a agremiação tem algumas características que a diferem das demais. Quem deseja se filiar e se candidatar, além de cumprir alguns pré-requisitos, tem que passar por um processo seletivo onde serão avaliadas suas capacidades e alinhamento com a proposta partidária.

“Todos os candidatos do Novo passam pelo processo seletivo. No ano passado, na Bahia, teríamos mais de dez candidatos, infelizmente, só conseguimos oito, porque o Novo tem esse cuidado de apresentar para a sociedade pessoas que tenham aptidão e que estejam alinhadas com a proposta do partido”, frisou Valois.

Em relação à participação na disputa eleitoral no município em 2020, José Antonio Valois disse que o Novo trabalha com a possibilidade real de ter candidatura própria. Segundo analisa, uma gestão eficiente deve priorizar aquilo que é mais essencial para a população, que é Educação e Saúde, e parcerias com o Estado na área da Segurança Pública.

“É preciso uma gestão moderna e eficiente. Não podemos mais presenciar cenas de pessoas aguardando em filas de madrugada para marcar uma consulta médica. Isso é bastante arcaico”, apontou.

Quanto ao governo municipal, o posicionamento do Novo é de neutralidade. Valois critica a quantidade de cargos comissionados existentes na Prefeitura, “que representam um gasto muito alto.”

Neste momento, disse José Antonio Valois, o Novo se manterá neutro e não há perspectiva de apoio à atual gestão por causa de divergências com o conteúdo programático do partido.

Ouça a entrevista completa:

COMPARTILHE

Sobre o Autor

*Atuou como Repórter nos jornais O Paraguaçu (Itaberaba/BA), Primeira Página (Jacobina/BA) e Oeste Hoje (LEM/BA). Sites: Camaçari Fatos e Fotos e Nossa Metrópole (Camaçari/BA). Atualmente, edita o portal TRagora e é Repórter do jornal Tribuna Regional.

Deixe Um Comentário