Concedeu entrevista gravada na última quarta-feira, 11 de Abril, Dr. Eduardo Brito, Coordenador da 16ª COORPIN, com sede em Jacobina, falando sobre reunião realizada nesse mesmo dia com Dr. Eugênio, delegado de Polícia de Capim Grosso (BA), agentes, investigadores, dentre outros.

A entrevista falou sobre o número de pessoas mortas no 1º trimestre de 2018, que registrou um total de 10 homicídios; já no mesmo período de 2019, Capim Grosso registrou apenas nove homicídios. “Tivemos no período, a redução de uma morte e isso tem um significado enorme, no tocante ao trabalho que é desenvolvido pela Polícia Civil, em parceria com a Militar, assim como Ministério Público, Judiciário, com extensão para toda a sociedade.

Na entrevista, Dr. Eduardo Brito falou da morte de Tamires, jovem mãe de 26 anos que foi morta brutalmente no dia 10 de Fevereiro de 2019, no Bairro Planaltino. “Sobre esse crime gostaria de informar que o Inquérito já foi enviado ao Ministério, com pedido de prisão do acusado, já expedido pela autoridade competente.

Sobre a morte de Nildo Carneiro, fato registrado no dia 16 de Março, por volta das 18:30hs, em seu quiosque. O autor do delito devido por ter problemas de saúde foi transferido para um Hospital de custódio, com tempo de avaliação de 45 dias.

“No dia 29 de Março realizamos com extensão para todo o País, uma operação visando prender vários elementos, inclusive o autor do crime que ceifou a vida de Tamires. “Representantes da Polícia Civil estiveram em Paulistana, PI, mas o indivíduo não foi encontrado. Para Dr. Eduardo Brito: “é uma questão de tempo para esse indivíduo ser preso”, frisou o coordenador, como resposta a família e toda a sociedade.

A entrevista deu ênfase para ameaças contra unidades de ensino em Capim Grosso, as quais não terão seus estabelecimentos de ensinos divulgados para evitar pânico. “Não dispomos de nenhum registro, mas é bom lembrar baseado em situações semelhantes registradas em Alagoinhas, Irecê, que pessoas foram presas mediante trabalho realizado pela SSP/BA, com rastreamento através do telefone”, disse Dr. Eduardo Brito.

A expectativa do Coordenador é que a sociedade continue contribuindo para o fortalecimento do trabalho da polícia, com informações precisas e com isso o registro de menos violência em Capim Grosso. Informações de Repórter Bahia

COMPARTILHE

Sobre o Autor

Deixe Um Comentário