Na tarde desta segunda-feira (10) as ruas do centro antigo da cidade de Jacobina, no Piemonte da Diamantina, foram tomadas por fiéis de São Benedito, o santo mais querido entre os jacobinenses. A procissão em homenagem ao “Querido Bené” tradicionalmente fecha as comemorações do Divino Espírito Santo no município.

Reza a lenda que São Benedito era o Padroeiro da cidade de Jacobina e muito venerado pelos escravos. Mas, quando chegaram os garimpeiros, a “elite branca” tirou o negro do altar e botou o branco Santo Antônio.

Verdade ou mentira, o fato é que o santo negro sempre teve grande simpatia da população, que desde as primeiras horas da madrugada participa da Alvorada, além das missas e procissão que são realizadas ao longo do dia, sempre acompanhadas pela Marujada e seus cânticos tradicionais.

Marujos – Há mais de duzentos anos, a Marujada de Jacobina se apresenta nas festas de Santo Antônio, padroeiro da cidade, dia 13 de Junho, e de São Benedito, santo muito festejado no município, na segunda-feira imediata ao domingo de pentecostes.

Terminados os compromissos religiosos, os marujos percorriam a cidade, visitando as casas das famílias, onde dançavam, cantavam, recebiam a homenagem da população e eram presenteados com doces e bebidas.

São Benedito – O Santo negro, nasceu na Sicília, Itália, em 1526. Seus pais eram descendentes de escravos vindos da Etiópia e mais tarde, libertos por seus senhores, tomavam o sobrenome dos mesmos. Sempre que podia, São Benedito apanhava alguns alimentos do convento, metia-os nas dobras do burel e, disfarçadamente, os levava aos necessitados.

Conta-se que numa dessas ocasiões, o santo foi surpreendido pelo superior do convento, que perguntou:

“Que levas aí, na dobra do teu manto, irmão Benedito?”.

E o santo respondeu: “Rosas, meu senhor!”.

São Benedito desdobrou o burel franciscano e, em lugar dos alimentos suspeitados, apresentou aos olhos pasmos do superior uma braçada de rosas. É daí que vem a tradição da bênção dos pães de São Benedito. A Sua imagem leva um saquinho nas costas com pedaços de pães.

São Benedito morreu em 4 de abril de 1589 em Palermo, na Itália. O culto de São Benedito, um dos mais populares do país, é associado aos padecimentos dos escravos do Brasil.

Este slideshow necessita de JavaScript.

COMPARTILHE

Sobre o Autor

*Atuou como Repórter nos jornais O Paraguaçu (Itaberaba/BA), Primeira Página (Jacobina/BA) e Oeste Hoje (LEM/BA). Sites: Camaçari Fatos e Fotos e Nossa Metrópole (Camaçari/BA). Atualmente, edita o portal TRagora e é Repórter do jornal Tribuna Regional.

Deixe Um Comentário