O Ministério da Educação promoveu um contingenciamento de R$ 230 milhões em verbas destinadas a universidades federais no fim de abril, após Abraham Weintraub assumir a pasta. Três delas foram mais afetadas: a Federal da Bahia (Ufba), a de Brasília (UnB) e a Federal Fluminense (UFF), que tiveram 30% das dotações orçamentárias bloqueadas.

Ao jornal O Estado de S. Paulo, Weintraub afirmou que os cortes nas três instituições se devem ao fato de elas estarem com baixo desempenho acadêmico e promoverem “balbúrdia” em seus campi. O valor restrito na UFBA, na UnB e na UFF corresponde a mais da metade do contingenciamento imposto a todas as universidades.

De acordo com o ministro, universidades têm permitido que aconteçam em suas instalações eventos políticos, manifestações partidárias ou festas inadequadas ao ambiente universitário. “A universidade deve estar com sobra de dinheiro para fazer bagunça e evento ridículo”, disse. Para ele, a presença de “sem-terra” e “gente pelada” nas instituições é um exemplo de balbúrdia. Em nota enviada à coluna Painel, da Folha, o MEC afirmou que os bloqueios não atingem o Programa de Assistência Estudantil.

COMPARTILHE

Sobre o Autor

*Atuou como Repórter nos jornais O Paraguaçu (Itaberaba/BA), Primeira Página (Jacobina/BA) e Oeste Hoje (LEM/BA). Sites: Camaçari Fatos e Fotos e Nossa Metrópole (Camaçari/BA). Atualmente, edita o portal TRagora e é Repórter do jornal Tribuna Regional.

Deixe Um Comentário