Um estudo controverso sobre mosquitos transgênicos publicado em setembro espalhou medo entre o público e fez cientistas torcerem o nariz. Assinado por dez cientistas dos Estados Unidos e do Brasil, o trabalho mostrou que os Aedes aegypti transgênicos soltos entre 2013 e 2015 em Jacobina, no interior da Bahia, se reproduziram, transferindo genes para a população local de mosquitos. Os insetos modificados geneticamente deveriam, em teoria, gerar filhotes frágeis, que não chegariam à idade adulta, mas os autores mostraram que alguns desses filhotes vingaram e estavam cruzando com os Aedes baianos.
Os mosquitos transgênicos soltos no Brasil foram desenvolvidos pela Oxitec, uma empresa britânica de biotecnologia que tem uma unidade em Campinas. Eles são manipulados em laboratório e recebem um gene que leva os filhotes a morrer antes que possam se reproduzir – interrompendo, com isso, a proliferação dos insetos. A estratégia foi concebida como mais uma arma no arsenal de combate às doenças que o Aedes transmite – dengue, zika, chicungunha e febre amarela.
Publicado na Scientific Reports, uma revista científica bem conceituada, o estudo afirma que os Aedes híbridos (filhos dos mosquitos transgênicos com os mosquitos baianos) encontrados em campo poderiam ser mais robustos que os animais selvagens que viviam em Jacobina antes da liberação dos transgênicos. O artigo sugere ainda que a transferência de genes dos mosquitos modificados poderia introduzir na população local a resistência a inseticidas, embora os autores não tenham feito experimentos para testar essas hipóteses. No entanto, foi justamente essa a alegação que fisgou a atenção dos editores de portais de notícias, que destacaram nas manchetes a possível criação de um “supermosquito” resistente.
Especialistas que não participaram do estudo ouvidos pela piauí viram alarmismo infundado nessa conclusão, embora não contestem os métodos e resultados experimentais. “É um trabalho sólido em nível técnico e fica claro que os transgênicos estão se reproduzindo”, disse o microbiologista Edison Durigon, que estuda vírus transmitidos pelo Aedes no Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP). “Mas as conclusões são baseadas em especulações que não acompanham os resultados apresentados.”
Para a demógrafa carioca Marcia Castro, que investiga a dinâmica de doenças transmitidas pelo Aedes aegypti na Universidade Harvard, nos Estados Unidos, faltou rigor no processo de avaliação por pares adotado pela revista Scientific Reports para se assegurar da qualidade do material publicado. “Um revisor sério não deixaria passar a linguagem sensacionalista de algumas alegações, que não cabem num periódico científico.”
Os exageros levaram um grupo de seis dos sete coautores brasileiros a solicitar ao grupo Springer Nature, que edita a Scientific Reports, que tire de circulação o artigo que publicaram. Alegam que não tiveram acesso ao texto que assinam. O artigo admite que a redação do manuscrito ficou por conta exclusiva de Jeffrey Powell, autor principal do estudo, que não teria submetido o texto à aprovação dos coautores. “Ele nunca mandou um e-mail e não pode provar que se comunicou conosco”, disse a bioquímica Margareth Capurro, da USP, coautora do trabalho. “Se de fato os autores brasileiros não leram o artigo, isso configura um problema sério de ética na academia”, disse Marcia Castro.
Procurado pela piauí, Powell não quis dar entrevista, mas disse por e-mail que “sustenta a validade científica e o rigor dessa publicação com revisão por pares”. O americano é líder de um laboratório que pesquisa a genética do Aedes e de outras espécies de animais na Universidade Yale, nos Estados Unidos. Geneticista veterano, fez doutorado nos anos 1970 com Theodosius Dobzhansky, um dos grandes nomes de sua disciplina no século passado.
O americano foi trabalhar com os pesquisadores brasileiros a convite do geneticista Aldo Malavasi, professor aposentado da USP e fundador da Moscamed, uma biofábrica de mosquitos à qual a Oxitec se associou nos projetos piloto de liberação dos Aedes transgênicos na Bahia. Diferentemente dos colegas brasileiros, Malavasi saiu em defesa dos resultados do artigo. “O que foi publicado está correto e foi bem feito, não tem que retratar nada.” O geneticista afirmou ainda que teve acesso ao artigo antes da publicação e que não lhe ocorreu sugerir nenhuma modificação.
O grupo Springer Nature confirmou à piauí que recebeu questionamentos ao trabalho, mas não quis comentar o caso, alegando confidencialidade. O artigo foi atualizado para informar que os editores estão avaliando as críticas recebidas e que reagirão de acordo com os resultados da análise.
Os insetos da Oxitec – que a empresa chama pelo nome comercial de “Aedes do Bem” – foram os primeiros animais geneticamente modificados a receberem sinal verde para liberação na natureza no Brasil. Foram soltos em estudos pilotos em duas cidades baianas – Juazeiro e Jacobina – e, desde então, já foram liberados em outros três municípios, em São Paulo e Minas Gerais. A empresa busca parcerias com prefeituras interessadas em contratar o serviço de liberação de insetos modificados como estratégia de combate às doenças transmitidas pelo mosquito (em Piracicaba, o projeto que previa soltar mosquitos durante quatro anos custou à prefeitura 3,7 milhões de reais).
Embora o artigo trate das suas constatações como “consequências não antecipadas” da liberação dos insetos modificados, não era de todo surpreendente que os cientistas encontrassem material genético dos transgênicos na população local de Aedes. Eles sabiam que, em condições de laboratório, de 3 a 4% dos filhotes dos cruzamentos entre transgênicos e selvagens viram adultos capazes de se reproduzir (mas, de novo, apenas 3-4% de seus filhotes chegarão à idade reprodutiva). Como em Jacobina eram soltos cerca de 450 mil mosquitos por semana, ao longo de 27 meses, era de se esperar que alguns transgênicos viessem a se reproduzir.
Os genes identificados pelos pesquisadores são sequências normais encontradas em Aedes aegypti de todo o mundo, e não o gene introduzido em laboratório que torna sua prole incapaz de se perpetuar. Eles puderam ser identificados pelos pesquisadores porque a linhagem transgênica foi feita a partir de um cruzamento de espécimes de Cuba e do México, de perfil genético distinto dos mosquitos brasileiros. As linhagens usadas foram escolhidas justamente por serem mais suscetíveis a inseticidas – o contrário do que sugeria o artigo da Scientific Reports.
Na avaliação do geneticista Aldo Malavasi, a troca de material genético constatada no artigo não é diferente daquela que aconteceria normalmente entre populações distintas de Aedes aegypti que entrassem em contato. “Imagine que chegasse ao Brasil um navio vindo do Haiti carregado de mosquitos”, propôs o geneticista. “Nesse caso, o que aconteceria é a introgressão”, continuou, usando o termo técnico que designa a transferência genética verificada no estudo.
Os mosquitos híbridos resultantes do cruzamento entre os insetos transgênicos e os selvagens foram encontrados principalmente durante o período de liberação, e sua quantidade caía até atingir, ao final da soltura, níveis próximos aos verificados antes do experimento. Como a coleta de amostras analisadas no artigo se encerrou três meses após o fim da soltura, o estudo não permite dizer se os mosquitos que vivem hoje em Jacobina ainda têm em seu genoma sequências vindas da linhagem transgênica introduzida até 2015.
A conclusão do artigo sustenta que, a depender da amostra considerada e do critério de análise, de 10 a 60% dos mosquitos coletados em campo tinham algum trecho do DNA da linhagem transgênica, e não enfatizou a tendência de diminuição progressiva da transferência genética apontada pelos resultados. “A conclusão correta teria que ser que o híbrido acontece, é fraco e está desaparecendo”, disse a bioquímica Margareth Capurro, da USP. “Se fôssemos coletar hoje, não encontraríamos nada [do material genético das linhagens transgênicas].”
Aestratégia de soltar mosquitos transgênicos tem dado certo, ao menos enquanto os insetos são liberados. Os mosquitos da Oxitec liberados em Juazeiro levaram a uma redução de 95% da população local de Aedes aegypti, conforme constatou um estudo de 2015 assinado por muitos dos autores do trabalho da Scientific Reports. Em Jacobina, a redução também passou de 90% conforme números da Oxitec (os resultados não foram publicados na literatura científica).
“O estudo conseguiu um grau de supressão da população de mosquitos muito bom, bem melhor do que conseguimos convencionalmente”, disse o biólogo Pedro Lagerblad, um pesquisador do metabolismo do Aedes no Instituto de Bioquímica Médica da Universidade Federal do Rio de Janeiro. O defeito da estratégia é não ser sustentável, continuou o pesquisador, que não participou do estudo feito na Bahia. “Você tem que ficar comprando mosquitos geneticamente modificados para continuar soltando.” Se a liberação dos insetos transgênicos for interrompida, a população natural de mosquitos acaba por se recompor – como aconteceu em Jacobina 18 meses após o fim da soltura.
Se a incorporação de genes dos mosquitos transgênicos pela população natural era esperada pelos estudiosos, resta entender o significado biológico dessa constatação. “Não há nenhuma evidência de que isso represente um problema ou uma ameaça”, disse Lagerblad. Alinhado com o pesquisador da UFRJ, outros cientistas ouvidos pela piauí também afirmaram que os resultados do artigo não são motivo para preocupação ou pânico por parte da população.
Para Marcia Castro, de Harvard, o trabalho deveria motivar discussões sobre a eficácia do uso dos mosquitos transgênicos no controle da dengue e de outras doenças. A demógrafa afirmou que a operação é custosa e dificilmente poderia ser bancada pelas prefeituras brasileiras, muitas delas em situação financeira crítica. “Em vez de repercutir as notícias sobre os mosquitos Frankenstein, as pessoas tinham que gastar sua energia discutindo se essa solução é boa e como vai ser usada junto com as outras intervenções para controlar as populações de mosquitos.” Castro afirmou ainda que é fundamental estudar os mosquitos que vivem hoje em Jacobina e nas outras cidades onde os Aedes transgênicos foram soltos, para entender se seus genes ainda estão presentes na população selvagem e como esses eventuais mosquitos híbridos estão se comportando.
A alegação não testada de que os Aedes híbridos seriam resistentes a inseticidas pode prejudicar a reputação dos mosquitos transgênicos e atrasar futuros processos de liberação dos insetos. “O estudo traz uma interpretação equívoca que contribuiu para gerar insegurança e indisposição da opinião pública com relação a uma tecnologia que pode contribuir para o controle do Aedes”, afirmou Lagerblad, da UFRJ. Para Margareth Capurro, da USP, “não tem preço” o estrago que o episódio pode provocar na atitude do público frente às novas tecnologias de controle dos mosquitos. “A população não sabe mais se confia em nós. Quem está dizendo a verdade?”, questionou a bioquímica. “Esse artigo só gerou confusão na cabeça de todo mundo.”
AOxitec julgou adequados os métodos escolhidos para atacar a pergunta que o estudo buscava responder. “Os autores fizeram ciência de boa qualidade no delineamento experimental, nas amostras que coletaram, nos métodos de análise e nos resultados”, disse a geneticista Natalia Ferreira, diretora-geral da Oxitec Brasil. Mas a empresa não endossou as extrapolações feitas na discussão final do artigo e publicou um comunicado apontando as “declarações irresponsáveis” do estudo sobre sua tecnologia. “Num artigo científico você não especula, você desenvolve hipóteses, testa e conclui”, continuou Ferreira. “Mas nesse caso os autores optaram por concluir sobre coisas que não testaram.”
Desde o experimento feito na Bahia, a empresa britânica desenvolveu uma nova geração de mosquitos transgênicos, que ela alega ser mais eficaz e econômica que a dos mosquitos usados nos estudos-piloto. Os insetos estão atualmente sendo testados em Indaiatuba, no interior de São Paulo, e aguardam autorização de uso experimental pelo governo norte-americano para liberação naquele país. A empresa teme perder apoio do público em função do episódio. “Quando acontece uma confusão dessas aumenta a resistência das pessoas em relação às novas tecnologias”, disse Ferreira.
O desgaste da empresa talvez fosse menor se ela tivesse sido mais transparente ao apresentar o projeto à população. No começo de 2016, quando os Aedes transgênicos estavam sendo liberados em Piracicaba, a Oxitec distribuiu à população um folheto de divulgação que afirmava que o inseto “não se perpetua no meio ambiente”. Questionada sobre por que a empresa não explicou naquela ocasião que um pequeno número de mosquitos transgênicos podia ter prole viável e se reproduzir, Ferreira esclareceu que, ao afirmar que o animal não se perpetua, o objetivo era dizer que ele não vai viver para sempre, mas que era esperado que alguns espécimes sobrevivessem por algum tempo.
O órgão do governo federal responsável por regulamentar a liberação de organismos transgênicos no país é a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança. No parecer técnico em que se posicionou favoravelmente à liberação dos mosquitos transgênicos, a CTNBio havia concluído que o animal modificado em laboratório não trazia riscos significativos para a saúde humana ou para o meio ambiente. O órgão disse que está avaliando o artigo da Scientific Reports, que deve entrar na pauta da sua reunião que acontece nesta quarta-feira (02/10). Em nota, a comissão afirmou que “não foi comprovado que [o mosquito híbrido]é mais resistente a estratégias de controle e/ou capaz de causar qualquer tipo de dano às pessoas e ao meio ambiente”.
Piauí / Uol
COMPARTILHE

Sobre o Autor

Ex-vereador e Ex-presidente da Câmara de Vereadores de Jacobina, Carlos de Deus é formado em Administração de Empresas pela Universidade Norte do Paraná. Diretor-presidente do jornal Tribuna Regional e do site TrAgora.

Deixe Um Comentário


Desenbahia
BAN-728-X90-PX-mulher