Moradores do município de Caém, na Chapada Norte do estado, enviaram à Redação do Tribuna Regional fotos e vídeos denunciando a situação de total abandono em que se encontram diversas ruas do município. Logo na entrada da cidade, já é possível constatar a situação. Muita lama e diversos pontos de água parada – ambiente propício à procriação do mosquito transmissor da dengue.

Segundo informações dos denunciantes, o hospital municipal está lotado de pessoas com suspeita da doença, isto sem contar aqueles que estão acamados em suas residências. A situação é mais preocupante quando se leva em consideração crianças e idosos.

Todos os anos lidamos com esse problema, não é algo novo, por isso questiono ao gestor, quais foram as medidas preventivas tomadas pela prefeitura”, questiona, indignado, um cidadão caenense.

Ações preventivas deveriam ter sido realizadas desde o começo do ano. Mutirões de limpeza na sede e distritos, pulverização com fumacê, mapeamento dos bairros com maior registro de focos, palestras em escolas e limpeza de córregos e rios. Nada disso, segundo a denúncia, foi feito pela Prefeitura Municipal de Caém.

Se existiram foram ineficientes. Precisamos de uma resposta da prefeitura quanto ao número de casos registrados no município e às ações de combate ao mosquito e às larvas. Não é raro encontrar larvas em terrenos, obras e lixos espalhados pela cidade. A saúde de nossa população tem que ser levada mais à sério. A situação é grave”, relata a denúncia.

A reportagem tentou entrar em contato com a Prefeitura de Caém, através do número (74) 3636-2116, para ouvir a versão oficial de algum representante do município em relação aos fatos denunciados, mas, até o fechamento desta matéria, o telefone dava sinal de ocupado.

Assista ao vídeo:

COMPARTILHE

Sobre o Autor

*Atuou como Repórter nos jornais O Paraguaçu (Itaberaba/BA), Primeira Página (Jacobina/BA) e Oeste Hoje (LEM/BA). Sites: Camaçari Fatos e Fotos e Nossa Metrópole (Camaçari/BA). Atualmente, edita o portal TRagora e é Repórter do jornal Tribuna Regional.

Deixe Um Comentário