A produção foi aprovada para apresentação em evento científico internacional

Aluna do 4º ano de informática do Campus Jacobina do IFBA, a jovem Aissa Gabriella Pereira Guirra é autora, sob orientação do docente de sociologia Jonatã França Bittencourt, do artigo Algoritmos racistas: Como bancos de imagens digitais reproduzem racismo?
Aprovado para apresentação na área temática Juventudes, contemporaneidade e tecnologias, do I Simpósio Internacional Juventudes e Educação, que traz o tema “Cenários educacionais em tempos de reformas”, o estudo partiu de duas hipóteses: a) ao pesquisar por família os resultados exibirão mais famílias brancas em comparação às negras; b) ao pesquisar por família negra mais mulheres negras serão representadas sem a companhia de um homem.
“Analisando 2.400 imagens de três bancos de imagens diferentes foi possível comprovar ambas as hipóteses, identificando-se, ainda, que homens negros são mais representados sem a companhia de uma mulher do que homens brancos. Portanto, conclui-se que há a reprodução de racismo algorítmico em bancos de imagens digitais, uma vez que os resultados obtidos evidenciam a compreensão de que mulheres negras não são associadas aos mesmos estereótipos que mulheres brancas e homens negros não fazem parte do privilégio masculino branco”, acrescenta a autora.
Enquanto aluna do curso técnico em informática, mas também interessada nos debates sobre questões sociais, Aissa conta que buscou desenvolver uma pesquisa que contemplasse essas duas realidades. “Além disso, pretendo promover um debate acerca da influência de estruturas sociais opressoras na produção tecnológica. Surgindo, assim, o artigo em questão, cujo objetivo foi realizar uma comparação entre a representação de pessoas negras e brancas em bancos de imagens digitais, analisando a construção imagética no mercado publicitário, de modo a evidenciar como as questões de raça e gênero se manifestam nesse meio, expondo desigualdades”, explica.
COMPARTILHE

Sobre o Autor

Deixe Um Comentário